sábado, 30 de junho de 2012

O dilema da bissexualidade (ou pelo menos, das pessoas que se dizem bi)


As imagens não são de minha autoria

A maioria dos bissexuais têm uma inclinação para gay ou hétero (nem me venha com hipocrisia...). Eu me considero bissexual ultimamente, mas sei que minha preferência é pelo mesmo sexo, da mesma forma milhares de pessoas que se dizem bissexuais revelam sentir uma preferência por algum sexo; exemplo: um homem diz que é bissexual, mas ao ser indagado se ele namoraria um homem ou se ele se sente emocionalmente atraído por ambos os sexos (além de sexualmente atraído), ele diz: eu transo com homens, mas não namoraria um ou não me vejo vivendo a longo prazo com um; dessa forma, a predominância dele é heterossexual.

O oposto pode ocorrer, quando há predominância homossexual. Acho que se dizer bissexual ultimamente mais tem a ver com a LIBERDADE SEXUAL para com qualquer sexo, mas não necessariamente a pessoa é de fato bissexual.

Bissexualidade é a capacidade de se sentir atraído SEXUALMENTE e EMOCIONALMENTE por ambos os sexos, sem distinção. Uma MINORIA é bissexual de verdade, engana-se quem pensa que as pessoas que se dizem bissexuais são totalmente bissexuais, há um equívoco muito grande advindo delas.

Uma porcentagem muito pequena entre as pessoas que se dizem bissexuais são realmente bissexuais em todos os sentidos.

Tire suas conclusões, mas eu não posso negar o que é evidente.

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Sim... O fato é que a sexualidade engloba não apenas o aspecto da atração, mas da identidade também. Um cara pode ser homossexual mas pode em alguns momentos ou períodos da vida se sentir ou se perceber mais como homem, e se identificar como tal de alguma forma, e isso pode lhe dar confiança para vivenciar sua sexualidade biológica... além de haver juntamente a curiosidade ou necessidade de estar experimentando o sexo oposto... e especialmente nesse caso a sexualidade do sexo oposto desperta um interesse ainda que não necessariamente uma atração em si, mas mais especificamente como uma necessidade instintiva. Isso na verdade funciona mais como uma necessidade de se sentir e dar atenção a impulsos masculinos do que uma orientação sexual de fato. Sendo assim, concordo com com o texto que diz q bissexualidade é algo raro, pois na maioria dos casos trata-se mais de uma questão de identidade e outras facetas da sexualidade do que "orientação" sexual em si. Desta forma, nada não impede que um gay possa querer transar com uma mulher e sentir tesão nisso, da mesma forma que um hétero pode também querer experimentar o mesmo sexo, ainda que não necessariamente pela mesma razão...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não concordo com Trinity e nem com o autor. Entendo que ser homossexual ou heterossexual pressupõe exclusividade e a inexistência absoluta de desejo pelo sexo oposto ou pelo mesmo sexo respectivamente. Qualquer coisa que não for assim, trata-se de bissexualidade em algum nível. O próprio Kinsey dizia que havia níveis diversificados de bissexualidade e não vejo porque negar essa conclusão. O que está se afirmando, na verdade é que os bissexuais 50/50 são raros, o que pode até ser verdade, mas, no todo, bissexuais não são tão raros.

      Não acho que orientação está ligada à identidade sexual como Trinity sugere. Identidade é cultural e orientação é inata. Um homossexual pleno não sente desejo pelo sexo oposto e um hétero pleno não sente desejo pelo mesmo sexo.

      Excluir